100%

CNM alerta para mudança nas competências da assistência social e ausência de debate em nova Lei

Foi publicada, na última sexta-feira, 24 de agosto, a Lei 13.714/2018, que trata da identidade visual do Sistema Único de Assistência Social (Suas) e propõe “assegurar o acesso das famílias e indivíduos em situações de vulnerabilidade ou risco social e pessoal à atenção integral à saúde”. No papel de entidade representativa da gestão local, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) alerta, porém, para impactos na área e a falta de debate por parte do Congresso Nacional e do governo federal ao estabelecer novas diretrizes. 

A normativa altera responsabilidades em detrimento de outra área, a da saúde, e ignora determinação da Lei Orgânica da Assistência Social (Loas) 8.742/93 sobre a construção participativa e compartilhada de políticas do setor entre os Entes da Federação. O texto inicia falando da padronização da identidade visual, mas, em seguida, muda o tema e atribui à assistência a responsabilidade de categorizar e selecionar quem terá acesso à medicamentos e outros produtos da saúde.

A CNM destaca que os benefícios são concedidos pelo Município à população, única e exclusivamente por meio de recursos próprios. Logo, a atribuição de mais uma responsabilidade vai onerar financeiramente os Entes locais, bem como abre precedente para um possível aumento em casos de judicialização no Suas.

Com a Constituição de 1988 e a Lei 8.080/90, a universalidade de acesso à saúde em todos os níveis de assistência foi instituída como um princípio base do Sistema Único de Saúde (SUS). Sendo assim, as alterações propostas tornam-se inconstitucionais pois, além de tentarem alterar o princípio constitucional, interferem no exercício de outra política pública.

Direito universal e grupos
Um terceiro agravante é a vinculação de um direito universal, o acesso aos medicamentos, à condição de vulnerabilidade e risco social. A ação, portanto, afunila e seleciona o acesso a um direito social básico. Vale lembrar que os princípios de oferta de medicamentos e insumos também estão previstos na Política Nacional de Assistência Farmacêutica - Resolução CNS 388/ 2004.

Da mesma forma, a organização e o financiamento tripartite vêm sendo normatizados por instrumentos como o Decreto 7508/11 e as Portarias 2001/17 e 1555/13. Quanto à garantia do acesso à assistência farmacêutica, o mesmo se dá na rede de saúde local: munido com o cartão SUS, os munícipes acessam os serviços de saúde que prescrevem e dispensam medicamentos.

O cuidado em saúde também se organiza por grupos com determinadas características que não estão relacionadas com condição vulnerável. Um exemplo disso é a dispensa de medicamentos a hipertensos, diabéticos, tabagistas, pessoas com algum tipo de sofrimento biopsíquico e pessoas que vivem com HIV. A norma publicada recentemente tenta sobrepor-se aos Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas (PCDT), que indicam os caminhos a percorrer na promoção e cuidado da saúde desses e de outros grupos.

Espaço de debate
A Loas, importante instrumento normativo político e técnico no âmbito do Suas, propõe, em sua essência, a gestão democrática e participativa, bem como a descentralização político-administrativa entre os entes federados. Ela define as instâncias de pactuação e deliberação de diretrizes, incluindo a participação de gestores municipais, estaduais e representantes da sociedade civil e do governo federal nos debates sobre a gestão da área e a garantia de acesso aos serviços pela população.

Desta forma, toda e qualquer pauta deve ser debatida na Comissão Intergestora Bipartite (CIB), na Comissão Intergestora Tripartite (CIT) e no Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS). Inclusive como forma de respeitar o pacto federativo e prezar pela autonomia municipal.

Desalinhamento
Desde 2010, cabe ao Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) definir a relação entre os benefícios eventuais da área com as políticas de saúde. Isso se deu por meio da Resolução 39/2010, que estabelece que a oferta de medicamentos, órtese, prótese, óculos, cadeiras de rodas, por exemplo, não são provisões da assistência.

Antes, o Decreto 6.307/2007 já afirmava que as provisões relativas a programas, projetos, serviços e benefícios diretamente vinculados ao campo da saúde, educação, integração nacional e das demais políticas setoriais não se incluem na modalidade de benefícios eventuais da assistência social.

Sendo assim, a Lei 13.714/18, que está desalinhada das demais normativas, fere o princípio da universalidade do acesso e ignora o debate com as instâncias de pactuação do Suas e do SUS. Fere-se a autonomia municipal e o conceito de benefício eventual, estabelecido há mais de 10 anos. Por isso, a CNM solicita aos gestores e técnicos municipais dos Suas e do SUS que, por meio das instâncias de pactuação, se posicionem e apontem as consequências da legislação em questão.

Da Agência CNM de Notícias


Fonte: Portal CNM - Confederação Nacional de Municípios
Protocolos desta Publicação:Criado em: 03/09/2018 - 10:42:31 por: Elton Abreu Araujo Sampaio - Alterado em: 03/09/2018 - 10:42:31 por: Elton Abreu Araujo Sampaio

Notícias

CNM alerta para mudança nas competências da assistência social e ausência de debate em nova Lei
CNM alerta para mudança nas competências da assistência social e ausência de debate em nova Lei

Foi publicada, na última sexta-feira, 24 de agosto, a Lei 13.714/2018, que trata da identidade visual do Sistema Único de Assistência Social (Suas) e propõe “assegurar o acesso das famílias e indivíduos em situações de vulnerabilidade ou risco social e pessoal à atenção integral à saúde”. No papel de entidade representativa da gestão local, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) alerta, porém, para impactos na área e a falta de debate por parte do Congresso...

Mais eleitores que habitantes: CNM atualiza estudo após estimativa populacional do IBGE
Mais eleitores que habitantes: CNM atualiza estudo após estimativa populacional do IBGE

A divulgação da estimativa populacional 2018 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última quarta-feira, 29 de agosto, resultou na atualização de um estudo de grande repercussão, que foi amplamente divulgado na mídia, o do eleitorado. A partir das estatísticas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do IBGE, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) identificou as localidades com o maior número de eleitores e aquelas que possuem mais eleitores que...

Comissão Nacional para ODS recebe reforço municipalista
Comissão Nacional para ODS recebe reforço municipalista

A prefeita de Monteiro Lobato (SP), Daniela de Cássia, se juntou com o prefeito de Afogados da Ingazeira (PE), José Patriota, como representante da Confederação Nacional de Municípios (CNM) na Comissão Nacional para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Cnods). Os municipalistas participam das reuniões e discussões com o objetivo de construir as ações brasileiras para a Agenda 2030, atuando em defesa dos interesses dos Municípios. Também articularam, com os membros da...

CNM esclarece gestores municipais sobre descredenciamento de equipes de Saúde
CNM esclarece gestores municipais sobre descredenciamento de equipes de Saúde

Vários Municípios têm procurado a Confederação Nacional de Municípios (CNM) para relatar preocupação desde a publicação da Portaria 1.717/2018. A normativa descredencia Equipes de Saúde da Família (ESF) por não cumprimento de prazo estabelecido na Política Nacional de Atenção Básica.  Antes da mudança feita pela Portaria 2436/2017 - Política Nacional de Atenção Básica -, o gestor municipal que tivesse a intenção de implantar novas equipes solicitava o credenciamento...